Infantilismo está se tornando norma entre os adultos?

Infantilismo está se tornando norma entre os adultos?
Em vez de uma anomalia, a personalidade infantilizada pode ser apenas um caminho de vida alternativo.
[Imagem: Disney/Divulgação]

Etapas da vida

Mudanças no modo e no ritmo de vida estão exigindo uma reconstrução da visão tradicional que tem sobre a divisão da vida humana em períodos segundo a idade.

Um ritmo mais acelerado de vida, novas visões sobre a educação e os papéis sociais, o papel do casamento, e mesmo a identidade profissional, são todas mudanças que questionam a periodização da vida no formato tradicional de infância-jovem-adulto.

E, conforme o período conhecido como vida adulta vai sendo adiado geração após geração, para muitos o significado da vida adulta como um período de certeza vem enfraquecendo.

Mas parece haver mais do que isso, ressaltam Elena Sabelnikova e Natalia Khmeleva, da Escola Superior de Economia (Rússia).

Segundo as pesquisadoras, aqueles que atingem a idade que os define como adultos estão preservando sinais de infantilismo. E, defendem elas, esse infantilismo está se tornando uma norma, não uma exceção.

O que é ser criança e o que é ser adulto

De um ponto de vista psicológico, a idade adulta implica autorregulação, maturidade emocional (racionalidade, autocontrole, falta de impulsividade etc.), responsabilidade, capacidade de autorreflexão e necessidade de trabalhar e ter relações estáveis, com os adultos lutando pelo sucesso em suas profissões e na vida familiar.

Alguns psicólogos enfatizam a importância do impulso de afiliação e realização: É importante que uma pessoa defina sua posição civil e social, seu estilo de vida etc.

De acordo com Sabelnikova e Khmeleva, a personalidade infantil, ao contrário, é caracterizada por sentimentos imaturos (reações "infantis", falta de força de vontade, falta de confiança), locus externo de controle (outras pessoas são culpadas), autoconceito inflado, baixas demandas sobre si mesmo (acompanhadas de altas demandas à sociedade) e egocentrismo.

"Uma pessoa infantil procura escapar da necessidade de avaliar adequadamente a realidade social objetiva," escrevem as duas pesquisadoras em seu artigo publicado na revista Education & Society.

Em outras palavras, a maturidade está associada ao domínio bem-sucedido de papéis sociais chave: profissional, conjugal e parental.

Infantilismo está se tornando norma entre os adultos?
Parece que a modernidade está fazendo a infância durar mais há muito tempo.
[Imagem: CC0 Creative Commons/Pixabay]

Fatores de infantilidade

Ocorre que um número cada vez maior de pessoas está atrasando essas escolhas típicas da maturidade e valorizando-as de forma diferente. Essas pessoas estão gastando mais tempo em busca de si mesmas e estão demorando mais para chegar ao fim de sua educação formal ou escolher um parceiro, por exemplo. Como resultado, o processo de identificação profissional e pessoal está demorando mais para acontecer.

Muitos especialistas defendem que retardar a vida adulta é uma resposta a uma nova realidade: Tudo está mudando, do conjunto de competências e empregos (alguns deles estão desaparecendo enquanto outros estão surgindo ou evoluindo) até os relacionamentos.

Várias novas maneiras de viver foram descobertas, modelos alternativos da idade adulta evoluíram, o curso de vida das pessoas tornou-se menos previsível. Por exemplo, as pessoas obtêm um diploma, trabalham, mas depois voltam novamente a estudar e mudam de profissão. Elas podem deixar a casa dos seus pais, mas depois voltam e prolongam sua "infância".

Mas isso frequentemente tem efeitos colaterais sérios, como uma gama de oportunidades de vida ampla demais, o que se torna desorientador e dificulta novas escolhas, fazendo com que a pessoa nunca se defina e nunca escolha um caminho: ela se torna infantilizada, defendem as pesquisadoras.

Infantilismo está se tornando norma entre os adultos?
Outras noções associadas à modernidade têm sido questionadas, como a expectativa em relação aos "nativos digitais": Nem todos os estudantes são fissurados em tecnologia e há lições a serem aprendidas para uma pedagogia com tecnologia.
[Imagem: Cortesia da Universidade de Newcastle]

Legitimação do infantilismo

Alguns psicólogos e sociólogos argumentam que a idade adulta não é mais um valor incondicional. Por exemplo, um estudo sobre atitudes entre alunos da 5ª série revelou que eles não parecem dispostos a crescer, associando a vida adulta não apenas à independência, mas também a responsabilidades demais.

Os jovens adultos estão em situação semelhante. "A imagem contraditória do futuro ... assusta um jovem e o encoraja a permanecer na infância, onde não havia problemas e a vida era estável e segura," escrevem Sabelnikova e Khmeleva. Neste caso, ressaltam, o infantilismo é quase uma escolha consciente.

As duas pesquisadoras acreditam, no entanto, que o infantilismo não deve ser julgado. Até certo ponto, ele pode ser considerado um sinal da diversidade temporal no desenvolvimento pessoal. O famoso psicólogo Lev Vygotsky escreveu sobre processos similares há quase um século.

"O caminho da personalidade para a maturidade não é homogêneo por tipo," defendem Sabelnikov e Khmeleva. Devido à diversidade do tempo, nas pessoas infantis a área emocional e de força de vontade "fica aquém das taxas gerais de desenvolvimento, e a inteligência e a cognição se desenvolvem mais rápido do que a média nesse período."

A "legitimação" do infantilismo também pode estar relacionada à sua avaliação como mecanismo protetor, uma maneira de superar as dificuldades da vida. Nancy McWilliams, uma psicanalista dos EUA, já enfatizou que o termo "personalidade infantil" está desaparecendo da lista oficial de condições clínicas, o que parece se alinhar com os argumentos das duas pesquisadores - em termos modernos, a personalidade infantilizada seria apenas um caminho de vida alternativo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Cuidados com a Família

Comportamento

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.