Indústria do cigarro manipula conteúdo de mentol nos cigarros para fisgar fumantes jovens

Mentol é isca para novos fumantes

Marcas de cigarro com mentol têm crescido em popularidade entre os adolescentes e o seu maior uso está sendo verificado entre os fumantes mais jovens e que aderiram ao fumo há menos tempo.

Pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, pesquisaram a manipulação dos níveis de mentol pela indústria do tabaco e descobriram uma estratégia deliberada para recrutar e viciar fumantes jovens ajustando o nível de mentol para criar uma experiência mais suave no fumante de primeira viagem.

Máscara para a nicotina

O mentol mascara a grosseria e a irritação causadas pelos cigarros, permitindo a liberação de uma dose efetiva de nicotina, o composto químico viciante dos cigarros. Esses produtos suavizados chegaram então ao mercado dirigidos para os consumidores em potencial mais jovens.

O artigo O Controle do Mentol nos Cigarros pela Indústria do Tabaco e seu Direcionamento para Adolescentes e Jovens Adultos foi disponibilizado online na seção "First Look" do American Journal of Public Health em antecipação à sua publicação, que acontecerá no exemplar do Setembro de 2008.

Manipulação do mentol pela indústria

"Por décadas, a indústria do tabaco tem manipulado cuidadosamente o conteúdo de mentol não apenas para seduzir a juventude, mas também para capturar jovens clientes," afirma Howard Koh, co-autor do artigo.

A autora principal, Jennifer M. Kreslake, uma analista de pesquisas, e colegas do Programa de Pesquisas em Controle do Tabaco, revisaram documentos internos da indústria do cigarro sobre o desenvolvimento de produtos à base de mentol, conduziram testes laboratoriais para medir o conteúdo de mentol em marcas de cigarros nos Estados Unidos, examinaram relatórios de pesquisas de mercado e utilizaram dados da Pesquisa Nacional Sobre Saúde e Uso de Drogas de 2006, uma pesquisa nacionalmente representativa entre residentes nos Estados Unidos a partir dos 12 anos de idade.

Documentos da indústria de cigarros

Os documentos da indústria de cigarros revelaram que as companhias de tabaco pesquisaram como o controle dos níveis de mentol poderia aumentar as vendas de marcas entre grupos específicos.

As companhias determinaram que produtos com altos níveis de mentol e fortes sensações de percepção do mentol satisfaziam fumantes de longo prazo dos cigarros de mentol, enquanto marcas mais suaves com baixos níveis de mentol tinham maior apelo entre os fumantes jovens.

Direcionamento deliberado para os jovens

As companhias então posicionaram mercadologicamente os produtos de mentol mais suaves para atingir os novos fumantes de mentol e também introduziram marcas novas mais suaves. Por exemplo, a Marlboro introduziu o Marlboro Milds em 2000, com uma concentração mais baixa de mentol, ao mesmo tempo em que elevou o conteúdo de mentol no Marlboro Menthol, preferido por fumantes mais velhos. As marcas com mentol com maior crescimento na participação de mercado entre os adultos jovens tinham os mais baixos níveis de mentol (Marlboro Milds e Newport) entre as marcas testadas pelos cientistas.

Cinismo e violação de acordos

Os pesquisadores sugerem em seu artigo que a introdução rápida de novas marcas suaves com mentol na última década é uma violação de um acordo de 1998 entre os fabricantes de cigarros e os governos estaduais [dos Estados Unidos] que proíbe as companhias de focar direta ou indiretamente os jovens. Os autores recomendam que "para proteger a saúde pública, os produtos de tabaco devem ser regulados na esfera federal, e aditivos como o mentol devem ser incluídos nesta regulamentação."

"Este é outro exemplo do comportamento cínico da indústria do tabaco para fisgar adolescentes e afro-americanos em um vício mortal. Isto depois que a indústria disse ao público americano que tinha mudado suas práticas de marketing," diz Gregory N. Connolly, co-autor do estudo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vícios

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.