Descoberto mecanismo para combater bactérias multirresistentes

Descoberto mecanismo genético para combater bactérias multirresistentes
Bactérias E. coli com diferentes níveis de resistência a antibióticos (em amarelo e azul) durante o processo de mutação.
[Imagem: Jorge Sousa/IGC]

Mutações compensatórias

Cientistas portugueses descobriram um mecanismo genético que favorece o crescimento das bactérias resistentes aos antibióticos.

A expectativa da professora Isabel Gordo e a sua equipe no Instituto Gulbenkian de Ciência é que esse mecanismo seja explorado como um novo alvo terapêutico contra estas bactérias, que se transformaram em um problema de saúde global.

Os antibióticos são projetados para atacar funções celulares essenciais das bactérias. No entanto, algumas delas tornam-se resistentes a esses fármacos ao adquirirem mutações nos genes envolvidos nessas funções.

Ocorre que essas mutações que defendem os patógenos dos medicamentos também trazem "custos" para as bactérias, uma vez que a maior parte das mutações que lhes conferem resistência são prejudiciais à bactéria na ausência do antibiótico.

O que a equipe da professora Isabel descobriu é que, para sair desse impasse, as bactérias adquirirem o que eles chamam de "mutações compensatórias", estreitamente ligadas às mutações originais da multirresistência - e essas interações é que são o motor do desenvolvimento da multirresistência, ao garantir que as bactérias consigam sobreviver.

A equipe demonstrou que o ritmo da adaptação compensatória nas cepas de Escherichia coli (E. coli) multirresistentes é mais rápido do que nas cepas que têm apenas uma mutação. Mais importante, foram identificadas as proteínas-chave envolvidas no mecanismo compensatório das bactérias multirresistentes.

Metáfora do carro

"Se utilizássemos uma metáfora muito simplista e comparássemos as bactérias a um carro, poderíamos dizer que muitas mutações que conferem resistência à estreptomicina afetam o motor da célula que conduz à produção de proteínas (o ribossoma), enquanto as resistências à rifampicina surgem de mutações no acelerador desse motor (uma proteína chamada RNA polimerase).

"Nós agora descobrimos que o mecanismo compensatório da E. coli multirresistente inclui mutações na 'embreagem', isto é, nas proteínas que ligam o 'motor' da célula ao 'acelerador'.

"Se conseguirmos bloquear as proteínas agora identificadas talvez possamos matar as bactérias multirresistentes, uma vez que estaríamos eliminando este mecanismo compensatório que favorece o seu crescimento na população," explicou a professora Isabel Gordo.

Ela estima que o mecanismo agora descoberto possa ser usado de forma geral em muitos outros casos de multirresistências a fármacos, uma vez que os antibióticos afetam os mesmos mecanismos celulares.


Ver mais notícias sobre os temas:

Bactérias

Medicamentos

Genética

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.