Alzheimer: Placas de beta-amiloide podem não ser as culpadas

Alzheimer: P-tau indiciada, amiloide sob investigação
Ilustração das placas de proteínas que se acumulam no cérebro (bege), fora dos neurônios, e as neurofibrilas (azul) dentro dos neurônios.
[Imagem: National Institute on Aging, National Institutes of Health]

Tau fosforilada

A busca por um suspeito muito popular entre os cientistas e médicos, apontado como o culpado pela doença de Alzheimer, pode de fato ser uma distração de um culpado muito mais direto pela doença.

Uma ampla análise deu sustentação à tese de que, quando se trata de Alzheimer, os aglomerados P-tau parecem ser os culpados diretos, enquanto as placas de beta amiloide podem apenas estar no lugar errado na hora errada.

A conclusão veio da análise dos dados de 51 experimentos realizados por pesquisadores de várias partes do mundo, cada equipe trabalhando de forma independente. A equipe formada por Colin Huber e Cassie Mitchell, das universidades da Geórgia e Emory (EUA) colocou os resultados na mesma base e os comparou.

Embora a proteína beta amiloide pareça ser cúmplice na doença - ela está sempre lá -, a meta-análise indica que o grande culpado parece ser outra proteína, chamada tau fosforilada (p-tau).

Além disso, a análise de dados de múltiplos estudos realizados em camundongos também revelou sinais de que múltiplos atores bioquímicos - e não apenas um ou dois - trabalham juntos na doença de Alzheimer para destruir os neurônios.

Suspeitos: P-tau indiciada, amiloide sob investigação

Outro fator que alivia as acusações contra as placas de beta amiloide é que a porção dessa proteína que parece se associar à p-tau para causar o Alzheimer não está diretamente ligada às famosas placas.

"O mais importante seria o nível de tau fosforilado presente. Ele tem a conexão mais forte com o declínio cognitivo. A correlação com a placa amiloide existe, mas é muito fraca; nem de perto tão forte quanto a correlação entre a p-tau e o declínio cognitivo.

"Eu acredito que a p-tau tem a maior parte na responsabilidade [pelo Alzheimer]. E pode ser a hora de não se fiar tanto na placa de amiloide beta como o campo [de pesquisas] tem feito há algumas décadas," disse Mitchell.

Até agora, todos os testes de candidatos a medicamentos contra Alzheimer baseados na hipótese amiloide falharam.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Memória

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.