Falta de vitamina D na população por excesso de protetores solares

Falta de vitamina D na população por excesso de protetores solares
Está difícil contrapor o bom-senso a uma divulgação exagerada do uso de protetores solares. Mas parece valer a pena.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Proteção não significa eliminação

Os resultados de uma revisão clínica publicada no Jornal da Associação Osteopática Norte-Americana revelam que quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo podem ter níveis deficientes ou insuficientes de vitamina D devido a doenças crônicas e à exposição solar inadequada relacionada ao uso de protetores solares.

"As pessoas estão gastando menos tempo lá fora e, quando saem, costumam usar protetor solar, o que basicamente anula a capacidade do organismo de produzir vitamina D," disse o professor Kim Pfotenhauer, da Universidade Touro. "Embora queiramos que as pessoas se protejam contra o câncer de pele, há níveis saudáveis e moderados de exposição desprotegida ao Sol que podem ser muito úteis para aumentar a vitamina D."

O Dr. Pfotenhauer afirma também que doenças crônicas, como diabetes tipo 2 e aquelas relacionadas à má absorção, incluindo doença renal, doença de Crohn e doença celíaca, inibem a capacidade do corpo para metabolizar a vitamina D a partir de fontes alimentares.

Insuficiência ou deficiência de vitamina D

A vitamina D - na verdade considerada um hormônio, e não exatamente uma vitamina - é produzida quando a pele é exposta à luz solar. Existem receptores de vitamina D em praticamente todas as células do corpo humano. Como resultado, ela desempenha um amplo papel nas funções do organismo, incluindo a modulação do crescimento celular, neuromuscular e da função imunológica, e a redução da inflamação.

Os sintomas de insuficiência ou deficiência de vitamina D incluem fraqueza muscular e fraturas ósseas. Pessoas que apresentam esses sintomas ou que têm doenças crônicas que sabidamente diminuem a vitamina D devem ter seus níveis verificados e, se forem baixos, discutir opções de tratamento. No entanto, o rastreio universal não é necessário e nem prudente na ausência de sintomas significativos ou de doenças crônicas, dizem os responsáveis pela meta-análise, que reavaliou todos os estudos científicos disponíveis até o momento.

A boa notícia é que aumentar e manter níveis saudáveis de vitamina D pode ser tão fácil quanto passar de 5 a 30 minutos ao Sol duas vezes por semana. O tempo apropriado depende da localização geográfica de uma pessoa e da pigmentação da pele - peles mais claras sintetizam mais vitamina D do que peles mais escuras. É importante não usar protetor solar durante essas sessões porque fatores de proteção solar iguais ou maiores do que 15 diminuem a produção de vitamina D3 em até 99%.

"Você não precisa ir tomar banho de sol na praia para obter os benefícios," disse o Dr. Pfotenhauer. "Uma simples caminhada com braços e pernas expostos é suficiente para a maioria das pessoas."

Níveis saudáveis de vitamina D

Apesar de inúmeros estudos recentes mostrarem que a vitamina D tem mais benefícios do que se imaginava e que os benefícios de tomar Sol superam o risco de câncer de pele, está difícil contrapor o bom-senso a uma divulgação exagerada do uso de protetores solares. Mas parece valer a pena.

"A ciência tem tentado encontrar uma correspondência um-para-um entre os níveis de vitamina D e doenças específicas," disse o Dr. Pfotenhauer. "Dado o papel geral da vitamina D no corpo, eu acredito que a vitamina D em níveis suficientes tem mais a ver com a saúde geral."

Atualmente, a insuficiência de vitamina D no organismo é definida como entre 21 e 30 ng/ml (nanogramas por decilitro) e a deficiência é considerada abaixo de 20 ng/ml.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vitaminas

Cuidados com a Pele

Prevenção

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.