Estilingue de DNA dispara remédios nas células doentes

Estilingue de DNA dispara remédios nas células doentes
O estilingue molecular dispara sozinho quando detecta um alvo, um biomarcador de uma doença.
[Imagem: Marco Tripodi]

Estilingue molecular

Químicos da Itália e do Canadá, especializados em nanotecnologia, criaram um estilingue molecular que eles afirmam ser capaz de disparar moléculas de medicamentos em locais precisos no corpo humano.

E não é preciso se preocupar em esticar o estilingue, uma vez que ele dispara quando detecta biomarcadores que sinalizam a presença de doenças específicas.

O estilingue molecular tem apenas alguns nanômetros de comprimento (1 nanômetro equivale a um bilionésimo de metro) e é composto de uma fita de DNA sintético - seriam necessários 20.000 deles postos lado a lado para chegar à espessura de um fio de cabelo humano.

Atirador de medicamento

As duas extremidades desta "fita de borracha" de DNA contêm pontos de ancoragem que podem aderir especificamente a um anticorpo-alvo, uma proteína em forma de Y expressa pelo corpo em resposta a diferentes agentes patogênicos, tais como bactérias e vírus.

Quando as "pernas" de ancoragem do estilingue reconhecem e se ligam aos braços do anticorpo-alvo, a "banda de borracha" de DNA é esticada e o fármaco carregado é liberado.

"Uma característica impressionante deste estilingue molecular é que ele só pode ser disparado pelo anticorpo específico, reconhecendo as marcas de ancoragem do elástico de DNA. Simplesmente mudando esses marcadores, pode-se programar o estilingue para liberar um fármaco em resposta a uma variedade de anticorpos específicos. Como diferentes anticorpos são marcadores de diferentes doenças, ele pode se tornar uma arma muito específica nas mãos de um clínico," disse Francesco Ricci, na Universidade de Roma.

Estilingue terapêutico

O próximo passo no projeto é alvejar uma doença específica e começar a testar o estilingue terapêutico em células in vitro, antes dos testes em camundongos.

"Nós vislumbramos que estilingues moleculares similares poderão ser usados em um futuro próximo para aplicar drogas em locais específicos no corpo. Isso iria melhorar drasticamente a eficiência das drogas, bem como diminuir seus efeitos secundários tóxicos," concluiu Ricci.


Ver mais notícias sobre os temas:

Nanotecnologia

Medicamentos

Sistema Imunológico

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.