Cirurgia com jato de água corrige hérnia de disco sem internação

Cirurgia com jato de água corrige hérnia de disco sem internação
Um jato de água em alta velocidade - a 960 quilômetros por hora - é direcionado até o local lesionado. A água entra no disco da coluna e quebra o núcleo, que é sugado, reduzindo a pressão sobre os nervos.
[Imagem: Pil Sun Choi]

Cirurgia com jato de água

Um jato de água em alta velocidade - a 960 quilômetros por hora - é direcionado até o local lesionado. A água entra no disco da coluna e quebra o núcleo, que é sugado, reduzindo a pressão sobre os nervos.

Assim é a nova técnica minimamente invasiva para operar hérnia de disco, foi apresentada hoje no 2° Congresso Brasileiro de Cirurgia e Técnicas Minimamente Invasivas da Coluna Vertebral.

O procedimento é tão simplificado que pode dispensar até mesmo a internação do paciente, que pode voltar para casa no mesmo dia.

Hérnia de disco

Segundo o cirurgião ortopedista Pil Sun Choi, fundador do Comitê de Cirurgia Minimamente Invasiva da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC), cerca de 90% da população brasileira sofre, sofreu ou sofrerá de algum problema de coluna. "Desses, 90% são casos de hérnia de disco, uma inflamação causada pelo inchaço do núcleo do disco intervertebral, que comprime os nervos da coluna".

Segundo o médico, os custos do procedimento cirúrgico com a nova técnica podem ser minimizados no futuro, já que não é necessária a internação.

Na cirurgia convencional, que oferece mais riscos de infecção e sangramentos, o paciente sofre um corte de pelo menos 10 centímetros e precisa ficar internado por três ou quatro dias. A recuperação, no método tradicional, demora duas semanas.

O novo procedimento também elimina os custos com transfusão de sangue, medicamentos e possíveis complicações. "Por enquanto, no país, o ato em si é mais barato com a convencional. A menos invasiva é mais cara, pelo menos, neste momento inicial. Mas isso não acontece em países desenvolvidos".

Custo e benefício da nova cirurgia

No Brasil, a técnica está em desenvolvimento e, há dois anos, pesquisadores do Instituto de Traumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) desenvolvem estudos para comparar os efeitos da técnica convencional com os da nova técnica.

"Nosso objetivo é educar os médicos nessas novas técnicas, divulgar e estender esse tipo de benefício para toda a população. Precisamos da iniciativa das autoridades na aquisição de equipamentos, formação dos futuros cirurgiões", disse Sun Choi.

De acordo com ele, ainda não há prazo para que a técnica esteja à disposição da população, já que depende da decisão das autoridades governamentais. "Para receber esse incentivo, as universidades precisam criar protocolos e mostrar que isso é realmente bom para o paciente em termos de custo e benefício", explicou.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cirurgias

Dores Crônicas

Ossos e Articulações

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.