08/08/2017

Saúde óssea só se consolida após fim da adolescência

Redação do Diário da Saúde

Minerais ósseos

Os últimos anos da adolescência são um período importante para a consolidação dos ossos - mesmo depois que o adolescente atingiu sua altura de adulto.

A conclusão veio da análise de uma amostra multicêntrica e racialmente diversificada que acompanhou mais de 2.000 adolescentes, do fim da fase infantil até o início da fase adulta.

"Nós frequentemente pensamos no crescimento de uma criança principalmente em relação à altura, mas o desenvolvimento geral do osso também é importante," explica a professora Shana McCormack, do Hospital Infantil da Filadélfia (EUA). "Este estudo mostra que cerca de 10 por cento da massa óssea continua a se acumular depois que um adolescente atinge sua altura de adulto".

O monitoramento dos adolescentes mostrou que o crescimento ósseo não é homogêneo em todo o corpo - ele é específico de cada local, com a densidade mineral óssea se desenvolvendo a diferentes taxas em diferentes partes do esqueleto.

"Nós também mostramos que os eventos de crescimento atingem o pico mais cedo nos adolescentes afro-americanos do que nos adolescentes não-afro-americanos. Quando os prestadores de cuidados de saúde interpretam dados como a densidade óssea em seus pacientes, eles devem levar em consideração esses padrões nas trajetórias de crescimento," disse Babette Zemel, coautora do estudo.

Atraso na infância, recuperação na adolescência

O estudo revela que o crescimento em altura supera os ganhos nos minerais ósseos antes da adolescência, o que pode explicar as altas taxas de fraturas entre crianças e adolescentes. Esse "atraso" na acumulação de minerais ósseos é compensado após o crescimento da altura estar completo.

Isto reforça a importância da dieta e das atividades físicas durante o final da adolescência, como base para consolidar a saúde do jovem.

"É no final da adolescência que alguns adolescentes adotam comportamentos de risco, como tabagismo e consumo de álcool, piores escolhas dietéticas e diminuição da atividade física, o que pode prejudicar o desenvolvimento ósseo," disse McCormack. "Este período é um momento para que os pais e cuidadores incentivem comportamentos mais saudáveis, como melhores dietas e mais atividade física".

"Sabemos há muito tempo que a maximização da saúde óssea na infância e na adolescência protege as pessoas da osteoporose mais tarde na vida," acrescentou Zemel.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.