27/12/2016

Desenvolvida vacina contra a febre chikungunya

Redação do Diário da Saúde
Desenvolvida primeira vacina contra a febre chikungunya
A equipe usou um clone de vírus Eilat para projetar uma vacina híbrida - ela é baseada em vírus, mas contém também proteínas estruturais do vírus chikungunya.[Imagem: Jesse H Erasmus et al. - 10.1038/nm.4253]

Vacina de vírus de insetos

Pesquisadores da Universidade do Texas anunciaram o desenvolvimento da primeira vacina para a febre chikungunya, que agora começará a ser avaliada em testes clínicos.

A vacina foi feita a partir de um vírus específico de insetos, que não tem qualquer efeito conhecido sobre os humanos, o que tornaria a vacina segura e eficaz.

Nos testes em laboratório, a vacina produziu rapidamente uma forte defesa imunológica e protegeu completamente camundongos e primatas não-humanos da doença quando expostos ao vírus chikungunya.

"Esta vacina oferece proteção eficiente, segura e acessível contra chikungunya e estabelece os fundamentos para o uso de vírus que só infectam insetos para desenvolver vacinas contra outras doenças transmitidas por insetos," disse o professor Scott Weaver.

Vacinas: riscos x eficácia

Tradicionalmente, o desenvolvimento de vacinas envolve opções mutuamente excludentes, sobretudo entre a rapidez com que a vacina funciona e a segurança para quem toma. Vacinas vivas atenuadas, feitas com versões enfraquecidas de um patógeno vivo, tipicamente oferecem imunidade rápida e duradoura, mas têm mais riscos. Por outro lado, a incapacidade das vacinas inativadas para se replicar aumenta a segurança à custa da eficácia, muitas vezes exigindo várias doses e reforços para funcionar adequadamente.

Pode haver um risco de doença com os dois tipos de vacina, seja pela inativação incompleta do vírus ou pelo enfraquecimento incompleto ou instável do vírus vivo, que é reconhecido quando indivíduos com uma vulnerabilidade bastante rara desenvolvem a doença ao tomar a vacina.

Para superar esses compromissos, os pesquisadores usaram o vírus Eilat como uma plataforma de vacina, uma vez que ele só infecta insetos e não tem impacto sobre os humanos. Na verdade, a equipe usou um clone de vírus Eilat para projetar uma vacina híbrida - ela é baseada em vírus, mas contém também proteínas estruturais do vírus chikungunya.

Vacina híbrida

A vacina híbrida Eilat/Chikungunya mostrou-se estruturalmente idêntica ao vírus chikungunya natural.

A diferença é que, embora o vírus híbrido se reproduza muito bem nas células do mosquito, ele não consegue se replicar em mamíferos.

Após quatro dias de uma dose única, o candidato a vacina induziu anticorpos neutralizantes que duraram mais de 290 dias nos animais de laboratório.

Os resultados, publicados na revista Nature Medicine, são promissores porque os relatos mais recentes indicam que o vírus chikungunya pode ser mais grave do que os vírus que causam dengue e zika.

 

Fonte: Diário da Saúde - www.diariodasaude.com.br

URL:  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Cópia para uso pessoal. Reprodução proibida.