Trombose ou hemorragia: Dois riscos dos anticoagulantes nas cirurgias

Trombose ou hemorragia: O dilema dos anticoagulantes nas cirurgias
O uso de anticoagulantes como preventivo durante cirurgias coloca os pacientes entre os riscos de trombose ou de hemorragia.
[Imagem: CLUE Working Group]

Usar ou não usar anticoagulantes em cirurgias?

Como as cirurgias trazem consigo o risco de trombose venosa, os pacientes são frequentemente tratados com medicamentos anticoagulantes, para prevenir a trombose, que geralmente ocorre após a cirurgia.

O problema é que essa profilaxia anticoagulante aumenta o risco de hemorragias graves, algo que se deseja evitar a todo custo durante uma cirurgia.

Para tentar achar a melhor solução para encarar esse dilema, uma colaboração internacional de pesquisadores e médicos - o Grupo de Trabalho CLUE - decidiu fazer uma reavaliação de todos os estudos científicos já realizados sobre o assunto, a fim de melhor orientar os médicos sobre qual postura adotar para que o paciente possa ter os maiores benefícios e os menores riscos.

Profilaxia anticoagulante

A equipe fez duas revisões sistemáticas e meta-análises, abordando cirurgias de câncer e cirurgias para outras condições que não o câncer.

No primeiro caso, os resultados mostram que o risco de trombose pós-cirúrgica se mantém em um nível consistente durante as primeiras quatro semanas após a operação, enquanto as hemorragias graves ocorrem principalmente nos primeiros dias após a cirurgia, e raramente depois disso.

Assim, a recomendação é que, se o médico decidir administrar a profilaxia com anticoagulante, essa terapia deve ser mantida por quatro semanas, já que o período de máximo benefício líquido ocorre dentre alguns dias após a cirurgia até quatro semanas.

No segundo caso, envolvendo cirurgias para tratamentos que não envolvem câncer, o uso da tromboprofilaxia é justificada entre pacientes de alto risco submetidos à cirurgia de transplante renal, mas em muitas outras cirurgias, principalmente urológicas, o risco de trombose venosa é baixo e o benefício líquido é negativo - mais prejuízo do que benefício.

"Foi interessante ver que o risco de trombose permanece praticamente o mesmo ao longo das quatro semanas após a cirurgia, enquanto hemorragias graves ocorrem poucos dias após a cirurgia. Atualmente, a profilaxia anticoagulante é usada em demasia em muitos procedimentos em que o risco de tromboembolismo é baixo. Por outro lado, em muitos procedimentos de alto risco, a tromboprofilaxia é subutilizada, em particular porque a duração do tratamento é insuficientemente longa," disse o coordenador do estudo Kari Tikkinen, do Departamento de Urologia da Universidade de Helsinki (Finlândia).


Ver mais notícias sobre os temas:

Cirurgias

Prevenção

Sistema Circulatório

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.