Brasil desenvolve novo radioisótopo para exames médicos

Brasil desenvolve novo radioisótopo para exames médicos
O projeto consiste em testar a produção do iodo-124 a partir do antimônio irradiado com partículas alfa.
[Imagem: IEN]

Radioisótopo

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) aprovou projeto da Divisão de Radiofármacos do Instituto de Engenharia Nuclear (IEN/Cnen), do Rio de Janeiro, para estudar a viabilidade de um método alternativo e econômico de produção do radioisótopo iodo-124.

O uso desse átomo radioativo em medicina nuclear é pesquisado em vários países, por sua adequação aos diagnósticos por imagem do tipo PET (sigla em inglês para Tomografia por Emissão de Pósitrons), com a vantagem de ter meia-vida de 4,2 dias, ampliando seu alcance geográfico.

O emissor mais usado hoje, o flúor-18, com menos de duas horas de meia-vida, restringe a realização dos exames a áreas próximas aos centros de produção.

Iodo 124

O projeto consiste em testar a produção do iodo-124 a partir do antimônio irradiado com partículas alfa.

O método mais usado hoje, ainda em escala experimental, tem o óxido de telúrio como alvo e prótons como irradiadores, mas o antimônio é um insumo bem mais barato e o IEN tem um dos poucos cíclotrons no mundo operacionais para irradiação alfa.

A proposta, que recebeu apoio de quatro mil euros, foi levada em junho pelo pesquisador Gonçalo Rodrigues dos Santos a uma reunião da agência de energia atômica em Viena, Áustria, com o tema a Produção e Utilização de Emissores de Pósitrons Emergentes com Foco em Cobre-64 e Iodo-124.

"Foi graças a um projeto como esse que o flúor-18 passou a ser produzido em escala comercial no IEN", lembra Santos.

Uma das principais aplicações do iodo-124, apontam as pesquisas, será no diagnóstico do câncer diferenciado de tireoide, detectando até mesmo micrometástases. No Brasil, esse carcinoma responde por mais de 90% de todos os tipos de cânceres endócrinos.

Além disso, o radioisótopo poderá marcar diversos tipos de moléculas para exames de cânceres de rins e fígado e em neurologia, cardiologia e veterinária, entre outras possibilidades.


Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Câncer

Quimioterapia

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.