Quando amantes se tocam, mulher sente menos dor

Quando amantes se tocam, mulher sente menos dor
Basta dar as mãos ao parceiro para que uma mulher sinta menos dor.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Toque que cura dor

Futuros papais, tomem nota disso: vocês podem ser mais úteis na sala de parto do que se dão conta.

Este é um dos recados que podem ser tirados de um estudo que constatou que, quando um parceiro empático segura a mão de uma mulher com dor, os corações e as taxas respiratórias dos dois se sincronizam e a mulher passa a sentir menos dor.

"Quanto mais empático for o parceiro - quanto mais significativo for o relacionamento - mais forte é o efeito analgésico e maior a sincronização entre os dois quando eles se tocam," explica o professor Pavel Goldstein, da Universidade da Califórnia em Boulder (EUA).

Sincronização interpessoal

O estudo, realizado com 22 casais, é o mais recente em um crescente corpo de pesquisa sobre a "sincronização interpessoal", o fenômeno em que os indivíduos começam a refletir fisiologicamente as pessoas com quem estão.

Por exemplo, você já deve ter observado que as pessoas inconscientemente sincronizam os passos com a pessoa ao lado de quem estão andando. E pesquisas já mostraram que as pessoas também ajustam sua postura para espelhar os amigos durante a conversa e que os corações dos amantes se sincronizam.

Mas ninguém havia ido tão longe, explorando a sincronização interpessoal no contexto da dor e do toque.

Goldstein e seus colegas afirmam que seu estudo pode ajudar no crescente esforço em busca de opções de alívio da dor sem o uso dos problemáticos opioides, que podem causar dependência e estão gerando um número cada vez maior de mortes por sobredosagem.

E pode também ajudar a aliviar as dores do parto - contanto, é claro, que os pais se aguentem na sala sem desmaiar.


Ver mais notícias sobre os temas:

Relacionamentos

Dores Crônicas

Gravidez

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.