Componente de perfume em planta do cerrado é descoberto na UNB

Pesquisa da UnB descobre componente de perfume em planta do Cerrado
A engenheira florestal Ana Virgínia Castelo, da UnB, fala sobre a pesquisa que encontrou no araçá, planta nativa do cerrado, substância utilizada como matéria-prima na produção de perfumes - o linalol.
[Imagem: Elza Fiúza/ABr]

Araçá

Uma pesquisa feita na Universidade de Brasília pela engenheira florestal Ana Virgínia encontrou no araçá do Cerrado (Psidium myrsinides) uma matéria-prima para perfumes, o linanol.

Segundo a pesquisadora, as pessoas pensam que a vegetação de Cerrado é pobre, só porque existem árvores retorcidas, com casca grossa e pouquíssimo valor, em comparação com a diversidade da Amazônia, o que é um engano.

Linanol

A substância linanol está presente no óleo essencial da planta e, em cosméticos e perfumes, serve para fixar a fragrância na pele.

O linanol também pode ser extraído de outras plantas, como o manjericão e o pau-rosa da Amazônia. No entanto, o araçá tem vantagem na questão da sustentabilidade. "Como o linanol é extraído somente da folha, é menos degradante ao meio ambiente. No pau-rosa, por exemplo, extrai-se do tronco da árvore, que demora 30 anos para crescer.", explica Ana Virgínia.

"Ainda não há como prever o uso comercial do linanol do araçá. Nós descobrimos a substância nos óleos essenciais da planta e agora estamos partindo para pesquisas mais avançadas. Acredito que dentro de dois ou três anos já se tenha resultados favoráveis", acrescenta.


Ver mais notícias sobre os temas:

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Terapias Alternativas

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.