Nanotecnologia pode revolucionar tratamento de tuberculose

Tuberculose é problema global

A tuberculose é um problema de saúde global: matando a cada ano cerca de dois milhões de pessoas e contagia aproximadamente 8 milhões. Nos países pobres, o avanço da doença é acelerado principalmente pela precariedade dos sistemas de saúde e rapidez no desenvolvimento de resistência do organismo aos fármacos utilizados no combate à doença, entre outros fatores.

Nanopartículas poliméricas biocompatíveis

Visando contribuir para o tratamento e controle da doença, o Instituto Nacional de Tecnologia (INT), órgão público federal vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, vem trabalhando na produção de nanopartículas poliméricas biocompatíveis capazes de conduzir o fármaco e promover uma liberação pulmonar controlada e localizada dos tuberculostáticos.

Turberculose no Brasil

O Brasil, segundo levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), ocupa atualmente o 16º lugar em notificações de casos de tuberculose no mundo. Esse problema não resulta apenas de dificuldades econômicas, mas também de deficiências tecnológicas, culturais e de políticas públicas de saúde.

Sob o aspecto tecnológico, o Brasil enfrenta restrições na produção de medicamentos tuberculostáticos e depende da importação da restrita oferta desses fármacos no mercado internacional. Além disso, há pouco investimento em novos métodos terapêuticos para melhorar o tratamento, que atualmente envolve o uso de, pelo menos, três medicamentos, conforme a resposta clínica do paciente.

Abandono do tratamento

A necessidade de ingestão diária de grande número de comprimidos e cápsulas aumenta a chance de esquecimento ou de abandono - causado também pela falta de medicamento nos postos de saúde -, colocando em risco o tratamento.

A toxicidade, principalmente da pirazinamida e isoniazida, proporciona desconforto aos pacientes. O bacilo se torna cada vez mais resistente, elevando custos do tratamento e trazendo mais dificuldades ao paciente.

Nanotecnologia

O trabalho realizado pelo INT - produção e avaliação física e química -, em parceira com a Universidade Federal Fluminense - avaliação da biocompatibilidade e toxicidade - e a Universidade de São Paulo - avaliação de fagocitose de macrófogos -, visa eliminar ou minimizar problemas detectados no tratamento.

As nanopartículas poliméricas são usadas para veiculação pulmonar por aerossóis e têm por objetivo facilitar o tratamento pela veiculação de três tuberculostáticos num único sistema e aumentar a eficácia dos fármacos com redução de dosagem.

Delivery de medicamentos

O sistema proposto pelo projeto é fundamentado em nanopartículas de poliácido lático e copolímeros de ácido glicólico contendo rifampicina, isoniazida e pirazinamida, os três principais medicamentos do tratamento.

Ele permite levar os remédios às células sadias e infectadas e também a liberação in situ dos fármacos, o que representa um tratamento mais pontual, diretamente no pulmão, diminuindo os efeitos colaterais dos medicamentos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Nanotecnologia

Medicamentos

Intoxicação

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.