Mel de abelhas ajuda a cicatrizar ferimentos

Mel para curar queimaduras

O mel de abelhas pode reduzir o tempo de cicatrização em pacientes que tenham sofrido queimaduras leves ou moderadas. Uma revisão sistemática feita por um grupo de pesquisadores concluiu que o mel pode ser útil como uma alternativa aos curativos tradicionais usados no tratamento de queimaduras.

"Nós estamos tratando esses resultados com cuidado, mas parece que o mel pode ajudar a acelerar o processo de cicatrização em algumas queimaduras," afirma o coordenador da pesquisa, Dr. Andrew Jull, da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia.

Uso do mel em ferimentos

O mel tem sido utilizado para tratar ferimentos desde a antiguidade. O mecanismo de sua ação não é claro. Embora o mel possa ajudar o corpo a remover o tecido morto e oferecer um ambiente favorável para o crescimento de tecido novo, o interesse medicinal atual no mel se concentra largamente em seus efeitos antibacterianos.

Redução no tempo de cicatrização

A revisão reúne dados de 19 avaliações clínicas envolvendo 2554 pacientes com uma grande variedade de ferimentos. O mel foi mais eficaz na redução do tempo de cicatrização comparado com a gaze e outros curativos que são freqüentemente usados para tratar queimaduras moderadas.

Entretanto, os pesquisadores foram incapazes de demonstrar benefícios claros para a cicatrização de arranhões, lacerações, cortes cirúrgicos e úlceras.

Efeitos do mel

Os pesquisadores não recomendam o uso de mel para tratar outros tipos de ferimentos. "Os serviços de saúde devem investir em tratamentos que se mostraram eficazes," diz o Dr. Jull. "Mas nós continuaremos monitorando novas pesquisas para tentar estabelecer o efeito do mel."


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos Naturais

Terapias Alternativas

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.