Laboratório anuncia vacina contra infecções bacterianas

Laboratório anuncia vacina contra infecções bacterianas

[Imagem: OMS]

Vacina pneumocócica

Uma nova vacina pneumocócica desenvolvida especialmente para crianças de até cinco anos de idade pode chegar ao mercado brasileiro em um prazo máximo de três meses, ampliando a cobertura de imunização para doenças pneumocócicas invasivas tais como a meningite.

Provocadas por bactérias em forma de coco, as doenças que se busca controlar com a vacina são principalmente a meningite e a pneumonia. A meningite é uma inflamação por infecção da membrana cerebral. Com o controle por meio de imunização, calcula-se uma economia de R$ 200 milhões ao ano em internações e tratamento em hospitais.

A vacina vem sendo desenvolvida há mais de dez anos pelo laboratório GlaxoSmithKline (GSK), sediado na Bélgica, que mantém pesquisas com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) na descoberta de vacinas.

Aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no último dia 22, a vacina aguarda a liberação pela Câmara Brasileira de Medicamentos, instância interministerial que definirá o valor da nova vacina para o consumidor.

Vacina com maior cobertura

O laboratório anunciou o novo produto em evento do qual participaram o infectologista da Sociedade Brasileira de Pediatria Aroldo Prochmann de Carvalho e o gerente médico de vacinas do laboratório, Otávio Cintra. Eles detalharam as diferenças entre a vacina disponível hoje no mercado, a 7-Valente, e a Synflorix, nome comercial da nova vacina.

No Brasil, por força de legislação específica, ela não terá este nome, mas sim, a relação dos componentes e princípios ativos. O avanço em relação ao produto anterior é a inclusão de novos tipos de pneumocos, ou sorotipos, em sua composição, o que amplia o espectro de imunização.

O pneumoco agride, sobretudo, crianças na faixa etária de até 5 anos, mas é nos dois primeiros anos de vida que ele se tem mostrado especialmente perigoso. É a segunda principal causa de morte entre crianças desta idade. De acordo com os médicos, quando não se registra casos de morte, as doenças provocadas pelo pneumococo costumam deixar sequelas neurológicas em 40% dos casos, ou auditivas em 60% das crianças infectadas.

"A doença pneumocócica é a segunda causa de meningite dessas crianças em todo o mundo. São 150 milhões de vítimas por ano, somando mais de dois milhões de óbitos. E o pneumococo causa 27,8% das mortes", afirmou Aroldo Prochmann de Carvalho.

Vacina para países em desenvolvimento

Já Otávio Cintra, médico do laboratório, disse que a nova vacina é um grande avanço em relação à 7-Valente, aplicada desde 2000 com resultados positivos nos Estados Unidos e na Austrália.

"A nova vacina é a primeira desenhada especificamente para os países em desenvolvimento", explicou Cintra. "Nos Estados Unidos, a 7-Valente atingiu uma redução incrível nos casos de doenças respiratórias em crianças de 1 a 5 anos de idade. Com o avanço da nova vacina, os bons resultados alcançarão toda a América Latina, a África e os países asiáticos que também enfrentam as doenças das vias respiratórias nas suas crianças".

Segundo os doutores, o Brasil tem cobertura de 70% dos casos possíveis com a vacina atual, índice que chegará a 82% com a utilização da vacina recém-lançada. Eles adiantaram que ela pode ser aplicada a partir da sexta semana de vida, mas que deverá incorporar-se ao calendário de vacinação infantil brasileiro, ou seja, doses aos 2, 4 e 6 meses de idade, e uma de reforço aos 15 meses.

Sobre o emprego da vacina pelo governo, os dois foram reticentes. "Primeiro, vamos aguardar a definição da Câmara de Preços de Medicamentos, então veremos", disse Carvalho. Ele destacou que é o governo é quem estabelece a demanda.

A nova vacina é aplicada por injeção na coxa da criança, podendo provocar reações semelhantes às das demais vacinas, como febre, vermelhidão e mal-estar.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vacinas

Infecções

Cuidados com o Recém-nascido

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.