Castanheiras têm fungo parente da penicilina

Descoberto em castanheiras fungo parente da penicilina
Placas de vidro com a colônia da nova espécie de fungo Penicillium excelsum, descoberta nas castanheiras-do-brasil.
[Imagem: Marta Taniwaki]

Penicillium excelsum

Uma pesquisadora brasileira descobriu um fungo parente da penicilina na castanha-do-brasil, ou castanha-do-pará.

A nova espécie de fungo foi batizada de Penicillium excelsum, passando a figurar entre as mais de 350 espécies do gênero Penicillium, o mesmo de onde se extraiu originalmente a penicilina, o primeiro dos antibióticos.

O novo fungo foi detectado em quase todo o ecossistema das castanheiras. Ele estava presente em amostras de folhas, de cascas, de castanhas, dos ouriços, nas flores e no solo. O P. excelsum foi igualmente identificado nas abelhas que fazem a polinização das flores da castanheira, assim como em formigas.

Diversas espécies de fungos do gênero Penicillium produzem antibióticos que têm a propriedade de combater infecções causadas por vírus, bactérias e outros fungos. A descoberta de tais propriedades se confunde com a descoberta do primeiro antibiótico, a penicilina.

"Ainda não sabemos se esta nova espécie produz alguma substância metabólica de interesse para a indústria farmacêutica. Mas vamos investigar," afirmou Marta Hiromi Taniwaki, do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) de Campinas (SP), descobridora do novo fungo.

Fungos em castanhas

O objetivo inicial da pesquisadora era entender como evitar a contaminação das castanhas por espécies de mofo ou bolor que produzem substâncias tóxicas.

A formação das toxinas pelos fungos nas castanhas se deve às condições de umidade na floresta e ao tempo de estocagem até as sementes atingirem um nível seguro de umidade. Castanhas que são secas à temperatura de 60º C e mantidas em estoques apropriados apresentam menos fungos e menor possibilidade de conter as toxinas do que aquelas armazenadas sem os mesmos cuidados.

A pesquisa determinou a predominância das espécies dos gêneros Aspergillus e Penicillium no ecossistema das castanheiras, "sendo que várias espécies de Aspergillus foram capazes de produzir toxinas nos testes in vitro e nas castanhas. Alguns desses trabalhos já foram publicados, outros ainda virão em breve," disse a pesquisadora.

A espécie P. excelsum foi isolada a partir de amostras coletadas no Amazonas e no Pará, na floresta, em fazendas, em mercados e nas processadoras da castanha.


Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos Naturais

Plantas Medicinais

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.