"Imunoterapia? Esta é uma linha de pesquisa perigosa", diz cientista

Fracasso de imunoterapia mostra riscos de mexer no sistema imunológico
A imunoterapia já contabiliza alguns casos de sucesso, mas os fracassos e resultados negativos dificilmente chegam aos meios de comunicação.
[Imagem: Nicolle Rager Fuller/NSF]

Riscos da imunoterapia

O fracasso de um novo fármaco contra a febre chikungunya destaca a necessidade de extrema cautela ao se manipular o sistema imunológico humano, nas chamadas imunoterapias.

Este alerta foi emitido pela equipe da Dra. Lisa Ng, da Rede de Imunologia de Cingapura, em artigos publicados nas revistas científicas Journal of Virology e Nature Scientific Reports.

A equipe constatou que um tratamento imunoterápico que eles próprios desenvolveram para a febre chikungunya, uma doença que causa inflamações dolorosas das articulações, mostrou-se eficaz quando administrado pouco antes de uma infecção, mas tornou as coisas muito piores para os pacientes - neste caso, camundongos - quando estes já estavam infectados pelo vírus.

Fracasso da imunoterapia

O fármaco tem como alvo um complexo específico de anticorpos, chamado IL-2/JES6-1, e deu resultados promissores quando administrado antes da infecção.

Contudo, este não é um cenário prático, já que quase nunca é viável prever uma infecção e administrar uma profilaxia. Por isso a Dra Lisa Ng e a equipe passaram aos testes com camundongos já infectados com o vírus chikungunya.

"Nós esperávamos ver uma melhoria semelhante, mas, infelizmente, aconteceu o contrário. [O fármaco] não protegeu os camundongos - ele os fez piorar," conta a pesquisadora.

Nos animais saudáveis, as células T CD4+ geradas pelo tratamento protegeram contra a inflamação induzida pelo vírus. Quando o hospedeiro já estava infectado, no entanto, o corpo já havia gerado altos níveis de células imunes ativadas, e adicionar mais delas pela ação do fármaco iniciou uma cascata que levou à hiper-inflamação.

Pesquisa perigosa

A Dra. Lisa cita outro exemplo de imunoterapia que deu errado - o desastre ocorrido no ensaio clínico de 2006 chamado TeGenero/PAREXEL, que devastou os órgãos de seus seis voluntários saudáveis, causou a perda de membros e deixou alguns participantes com danos permanentes em seus sistemas imunológicos. "Foi terrível," lembra ela. "Quando injetaram [o fármaco] no último participante, o primeiro já havia entrado em colapso."

Por isso, ela não teve dúvidas em emitir um alerta claro e direto sobre as consequências dos estudos como os realizados pela sua equipe em animais: "[Qual é] o impacto desta pesquisa - a mensagem para se levar para casa? É uma palavra de cautela. Nós mostramos aqui, até ao nível do mecanismo de ação, por que essa linha de pesquisa é perigosa."


Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Imunológico

Desenvolvimento de Medicamentos

Ética

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.