Mutação genética em mulheres tem ligação com fissura labial em bebês

Mutação gênica em mulheres tem ligação com fissura labial em bebês
Uma mutação gênica em mulheres descoberta por pesquisadores da Faculdade de Odontologia de Piracicaba está relacionada ao risco de nascimento de bebês com fissura labial e/ou palatina, uma das deformidades faciais mais comuns em todo mundo.
[Imagem: Antoninho Perri]

Lábio leporino

Uma mutação gênica em mulheres descoberta por pesquisadores da Faculdade de Odontologia de Piracicaba, da USP, está relacionada ao risco de nascimento de bebês com fissura labial e/ou palatina, uma das deformidades faciais mais comuns em todo mundo.

As pesquisas, desenvolvidas em colaboração com o Centro de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da Universidade de Alfenas (Unifenas), abrem perspectivas de novos estudos em torno da malformação congênita, conhecida popularmente como "lábio leporino" ou "goela de lobo".

Uma nova pesquisa recentemente anunciada revelou uma técnica que permite que a fissura do palato poderá ser curada antes do nascimento.

Incidência da fissura labial

Segundo a autora da pesquisa, a cirurgiã-dentista Andréia Bufalino, para cada mil crianças nascidas vivas no Sul de Minas Gerais, por exemplo, 1,46 nascem com algum tipo de fissura. No entanto, esta prevalência é variável em outras cidades do mundo.

O estudo, orientado pelo professor Ricardo Della Coletta, consistiu na realização de testes de DNA em um total de quase 300 mães, tanto aquelas com crianças portadoras de algum tipo de fissura, quanto aquelas cujos filhos não apresentavam a malformação.

Risco genético da fissura labial

Como resultado, as análises demonstraram que a presença do polimorfismo (ou mutação) no gene MTHFR aumenta em aproximadamente seis vezes o risco de nascimento de uma criança com fissura labial e/ou palatina.

Este fator genético específico, explica Andréia, nunca havia sido exclusivamente associado ao problema até então.

Por isso, a importância de futuros estudos que avaliem o envolvimento destes genes na população brasileira, uma vez que são poucas as pesquisas no país que avaliam polimorfismos como fator de risco materno para fissura labial e/ou palatina.

Multifatorial

Andréia lembra que as causas das fissuras em geral são complexas e não se sabe ainda qual o fator etiológico envolvido que funciona como principal desencadeador da anomalia.

"Acredita-se ser um problema multifatorial, pois está associado com vários fatores ambientais, tais como o hábito materno de fumar, consumo de bebida alcoólica, uso de drogas e o desenvolvimento de doenças crônicas como diabetes e obesidade durante os três primeiros meses de gestação, entre outros", explica.

Por outro lado, existe uma possível relação entre o desenvolvimento de uma fissura e a presença de alterações genéticas ou polimorfismos no DNA materno ou da criança em alguns genes específicos.

Neste sentido, Andréia não incluiu na pesquisa as mães que relataram algum tipo de contato com algum dos principais fatores ambientais, para que houvesse a menor influência destes e assim fosse observada apenas a questão genética.

Importância do ácido fólico na gravidez

Outra vertente do trabalho realizado pela pesquisadora confirmou ainda dados da literatura que demonstram a importância da suplementação vitamínica com ácido fólico nos três primeiros meses de gestação.

O que comprova este aspecto foi a observação de que 70% das mães com filhos fissurados não haviam feito uso da suplementação vitamínica contra 30% que usaram a suplementação.

"Isto significa que a falta de suplementação vitamínica, além da presença de uma alteração no DNA destas mães, também pode colaborar para o aumento do risco de se ter um filho com fissura", explica a pesquisadora.

O ácido fólico, estaca Andréia, exerce um efeito protetor para evitar o nascimento de um filho com a anomalia.


Ver mais notícias sobre os temas:

Gravidez

Cuidados com o Recém-nascido

Vitaminas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.