Famílias podem sofrer mais que pacientes de doenças crônicas

Famílias podem sofrer mais que pacientes de doenças crônicas
A família parece sofrer mais do que o doente - mas a espiritualidade é uma ferramenta importante para ambos.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Sofrimento familiar

O sofrimento com doenças crônicas pode afetar mais a família do que o próprio doente.

Os resultados deixaram pesquisadoras da Escola de Enfermagem da USP em Ribeirão Preto surpresas com o fato de os pacientes avaliados apresentarem resultados melhores do que seus familiares quanto a questões sociodemográficas, espirituais e de qualidade de vida.

A pesquisa envolveu pacientes portadores de doenças crônicas, como câncer, derrame, diabete, deficiências auditivas e visuais e doenças do coração, que se encontravam em tratamento em um hospital geral e, também, com seus respectivos acompanhantes.

A psicóloga Maria Augusta Silva Rosa conta que aplicou questionários aos pacientes e familiares para avaliar situações sociodemográficas, questões espirituais e qualidade de vida.

Quando comparou as respostas, a pesquisadora se deparou com uma realidade contrária à que imaginava. Todos os escores diziam que a família estava sofrendo mais do que o doente, com maior ênfase para os aspectos social, ambiental e de qualidade de vida.

Ajuda aos familiares

Os dados mostram ainda altos níveis de depressão e ansiedade nesses familiares, o que fortalece a hipótese de que, "nas circunstâncias de adoecimento crônico que ameaça a continuidade da vida, ambos, pacientes e familiares, são acometidos com sinais e sintomas depressivos e ansiosos".

Os sintomas apresentados pelos familiares surgem devido às mudanças e adaptações que a família faz para atender às necessidades do adoecido. "Para acompanhar o paciente, o familiar precisa deixar de realizar algumas atividades e a família necessita adaptar-se a condições do ambiente que dão mais conforto ao paciente, mas geram incômodo para os não doentes", explica a pesquisadora.

Famílias podem sofrer mais que pacientes de doenças crônicas
"A espiritualidade fortalece a formação de crenças e valores que estimulam práticas saudáveis perante essas doenças," disse Maria Augusta.
[Imagem: Maria Augusta Silva Rosa]

A realidade do sofrimento familiar mostra a necessidade de políticas públicas e estratégias de intervenções que considerem também a família, e não só o paciente de doença crônica. E essas intervenções, garante Maria Augusta, atenderiam a recomendações da própria Organização Mundial da Saúde (OMS), que incluem a dimensão espiritualidade.

Espiritualidade e saúde

O estudo também comprovou a efetividade do cultivo à espiritualidade para amenizar o sofrimento de doentes crônicos.

A psicóloga conta que, nas famílias em que a espiritualidade, religiosidade e crenças pessoais são mais presentes, o sofrimento é encarado de forma mais positiva. A fé torna-se um recurso adicional para lidar com os problemas e as adversidades das novas condições de vida. "A espiritualidade fortalece a formação de crenças e valores que estimulam práticas saudáveis perante essas doenças," disse Maria Augusta.

Diante das dificuldades do tratamento, muitas vezes doloroso, invasivo e debilitante, comenta a psicóloga, o paciente busca inspiração exterior e usa a espiritualidade como ferramenta para construir uma nova forma de viver e estimular práticas saudáveis, mesmo diante do adoecimento.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com a Família

Espiritualidade

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.