Brasil ocupa vanguarda em pesquisas sobre zika

Brasil ocupa vanguarda em pesquisas sobre zika
Celina Turchi foi apontada como uma das dez cientistas mais importantes do mundo pela revista Nature e entre as cem personalidades mais influentes pela Time.
[Imagem: MCTIC]

Desbravamento

A resposta ao surto de microcefalia em bebês, provocado pelo zika, colocou a ciência brasileira na liderança mundial das pesquisas sobre o vírus.

"A ciência brasileira avançou muito em pouco tempo. Agora, conhecemos o vírus e como ele age," disse a epidemiologista Celina Turchi.

Em 2016, Celina Turchi foi apontada como uma das dez cientistas mais importantes do mundo pela revista Nature e entre as cem personalidades mais influentes pela Time por seu trabalho dedicado a comprovar a associação entre a microcefalia e a infecção pelo vírus, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) de Pernambuco.

Durante evento realizado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, a epidemiologista destacou que os pesquisadores brasileiros tiveram que desbravar um novo campo do conhecimento, uma vez que a literatura sobre as infecções humanas por zika era escassa.

Celina afirma que há necessidade de esforço contínuo por parte da comunidade científica brasileira. "A microcefalia é a ponta do iceberg. Há um complexo de anomalias que não foram catalogadas. Espero que em um ou dois anos possamos ter respostas mais claras sobre a evolução para o quadro de microcefalia em neonatos. Por isso, temos que manter as pesquisas," defendeu.

Cloroquina

O próximo passo da pesquisa brasileira é descobrir medicamentos capazes de inibir os efeitos do zika em gestantes e, consequentemente, nos embriões. Os primeiros testes com a cloroquina, uma das substâncias que estão sendo testadas, foram desenvolvidos por uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e apresentaram resultados animadores.

"Vimos que as crianças nascem com o vírus ainda ativo. Se a mãe tiver um sintoma de zika na gravidez e tratar com uma droga que bloqueia a replicação do vírus, podemos mitigar as lesões na criança. A cloroquina já tinha sido usada com insucesso na dengue em parte clínica, mas sempre funcionou para zika", enfatizou o professor do Departamento de Genética da UFRJ e especialista em genética molecular e de microorganismos, Amilcar Tanuri.


Ver mais notícias sobre os temas:

Eventos

Vírus

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.